Archive for the ‘picaretagem’ Category

Artista precisa ser pago?

3. fevereiro. 2011

Por Alessandra Clark

Meus caros, sou neta de Lygia Clark. gostaria de saber se algum dia ligarão para a Associação cultural “O Mundo de Lygia Clark” e perguntarão o que nós pensamos a respeito de tudo isso, ao invés de ficarem se derretendo em lamúrias pela internet com falsos testemunhos sem opinião própria.

então, como jamais entrarão em contato, resolvi dar 5 minutos do meu dia para responder a este blog (muito bom – por sinal).

A verdade é que muitos reclamam de barriga cheia. todos querem sobreviver da arte. críticos querem vender seus textos, curadores querem vender seus projetos, empresário querem vender seus produtos. só esquecem que a fonte de todas as suas pesquisas são os artistas. enquanto o artista está vivo, é fácil encontrá-lo e pedir autorização para publicar seu legado. o artista, emocionalmente envolvido paga a alma pra conseguir ver seu trabalho exposto. quando o artista morre, os herdeiros se vêem numa posição muito difícil – terem em suas vidas uma Obra para tomar conta. Essa obra é o filho de uma pessoa, eternamente dependente, que passa a conviver diariamente com essas pessoas. isso quer dizer que os herdeiros passam a ter todos os positivos e os negativos desse ‘f’ilho’ que apareceu repentinamente.

vou dizer os Deveres: cuidar, zelar, respeitar. se vocês não sabem o que isso quer dizer, eu vou dizer: manter o arquivo documental impecável limpo, sem fungo, organizado, apto a ser entregue como objeto de pesquisa… pra quem???? para pessoas que queiram pesquisar, publicar, expor… mas essas pessoas não querem dar nenhuma contra partida para ajudarem… infelizmente, como a falta de respeito em relação aos artistas é enorme, as pessoas acham que os herdeiros têm a obrigação de manter tudo isso e não querem ajudar…

exemplo: já recebi pedidos de pesquisa aonde pessoas gostariam de publicar livros e não tinham verba destinada a direitos autorais… mas o livro é inteiramente patrocinado com verba pública (Lei Rouanet), todas as pessoas envolvidas no projeto sendo muito bem remuneradas (pela tabela de valores dos serviços no ministério) e não se tem verba para o artista… e depois o livro ainda é vendido nas livrarias a 150 reais. isso eu não acho justo. é falso moralismo dizer que estão disponibilizando cultura… disponibilizar cultura a 150 reais não é disponibilizar.

eu vou dizer o que é disponibilizar: disponibilizar é deixar acessível sem custo a a custo que a pessoa possa pagar. 1/3 de salário mínimo não é disponibilizar. sinto muito. EU disponibilizo. eu tenho a documentação da Lygia Clark disponível para pesquisa gratuita. quem quiser, pode ligar a marcar pra fazer sua pesquisa. eu libero direitos autorais gratuitamente – lógico se todos estiverem doando seus esforço também. por que só nós “””artistas/herdeiros”””” temos que nos sujeitar a ceder…

se o governo fizesse por onde, cuidando do legado de cada artista, ele poderia exigir alguma coisa. mas infelizmente, não faz. a Lei Rouanet hoje é usada de forma imprópria. Nos sujeitamos as departamentos culturais de grandes empresas que fazem verdadeiros leilões de patrocínio que acabam sendo distribuídos a lobistas…. mas isso,,,, estamos nos Brasil, já deveríamos estar acostumados.

bem, passei mais de 5 minutos. me empolguei. desculpem-me. mas, está aqui o recado, se alguém tiver alguma dúvida, a Associação Cultural “O Mundo de Lygia Clark” está aberta a perguntas e a pesquisas. isso é gratuito. o resto, não é nossa obrigação moral ceder. analisamos caso a caso.

Atenciosamente,

Alessandra Clark – Uma amante da Arte e herdeira por tabela.

 

Publicado originalmente no blog do Luis Nassif.

Anúncios

FILE2010 é arte e tecnologia de ponta

27. julho. 2010

macumba computacional em espm!

22. novembro. 2009


macumbismo pesado no abciber, na espm. pico, renata, fabrizio, duas problemáticas e um emacumbado!

Sobre o crítico de arte

26. outubro. 2009

mundo-monstro-3632

“A arte nas feiras é fraudulenta”, diz crítica americana

7. outubro. 2009

i0710200901

Rosalind Krauss, uma das principais estudiosas de artes visuais hoje, condena espetacularização da obra de arte

No próximo dia 15, o circuito internacional do mundo das artes migra para Londres, onde ocorre a feira de arte Frieze, considerada uma das três mais importantes do planeta, junto com Art Basel, na Suíça, e Art Basel – Miami Beach, nos EUA.

Com 150 expositores, cinco deles brasileiros (Fortes Vilaça, Casa Triângulo, Gentil Carioca, Luisa Strina e Vermelho), o que se vê nelas, segundo a crítica americana Rosalind Krauss é, simplesmente, uma “fraude”.

“Eu acredito que a arte promovida nas feiras de arte internacionais é fraudulenta”, escreveu à Folha Krauss, que irá abrir, no próximo dia 25, o 3º Simpósio de Arte Contemporânea do Paço das Artes. Ela ministrará a palestra “Reconfigurações no Sistema da Arte Contemporânea”.

Na troca de e-mails com a reportagem, Krauss, que também atua como curadora, contou que a influência do mercado na produção contemporânea será o tema central de sua conferência. Condena as feiras, pois “são puro espetáculo, envolvendo o observador com uma atmosfera sedutora sem demandar atenção ou trabalho por parte do visitante para analisar a habilidade que um trabalho tem em criar significados”.

As críticas da norte-americana não se restringem às feiras mas também às “instalações”, como são chamadas obras imersivas, onde o público participa de forma coletiva, defendidas pela estética relacional, conceito criado pelo curador francês Nicolas Bourriaud.

“Ao se mover da experiência privada de um trabalho para uma coletiva, a estética relacional simplesmente segue a análise de Marshall MacLuhan em “A Galáxia de Gutenberg”, que descreve a superação da privacidade na leitura de um livro pela atividade coletiva de se assistir televisão, o que nós podemos chamar de espetáculo.”

A espetacularização da arte, torna-se assim um dos temas que Krauss irá abordar no simpósio. No entanto, a crítica parafraseia Catherine David, curadora da 10ª Documenta, em Kassel, na Alemanha, para afirmar ainda que não crê “na pureza ou na oposição ontológica entre arte e mídia”.

“Catherine disse que busca organizar mostras como se fossem filmes, e que quem ainda acredita no “cubo branco” é ingênuo ou estúpido”, destaca Krauss. O “cubo branco” é uma expressão desenvolvida pelo crítico Brian O’Dogherty para a galeria, comercial ou de um museu, representar a garantia da autonomia de uma obra de arte, ou seja, sua total separação do mundo fora dele.

Leia matéria completa na Folha de S.Paulo (só para assinantes)

Computação aditiva

12. agosto. 2009

spezify

Como bem lembrou Mr. Dall’anese, com nítidas influências monopartianas, o site Spezify forma, com muito dinheiro e um toque de design, um elaborado e dinâmico mosaico indexador telemático. No exemplo, o conteúdo relacionado ao profeta do apocalipse Lev Manovitch.


%d blogueiros gostam disto: